Começamos a falar sobre impressão 3D industrial em metais em um post anterior. Nele falamos sobre as tecnologias mais comuns e mais promissoras no mercado. Mas pode ser que nenhuma delas atenda a sua demanda específica. Por isso, vamos falar aqui de mais 2 formas de imprimir em metal.

1. FFF

É isso mesmo que você ouviu. É possível fazer impressão 3D em metais utilizando uma impressora FFF (Fused Filament Fabrication), aquele modelo mais comum. Isso é possível usando filamentos especiais que contém pó metálico misturado ao polímero.

Impressão 3D em metais - DED

Assim, a impressora constrói a peça como se fosse feita de plástico a baixas temperaturas e com aberta para a atmosfera. Então a peça concluída será sinterizada em um processo em que o plástico será removido e o pó metálico irá se consolidar.

Isso implica em um encolhimento nas dimensões da sua peça final, geralmente de 50% em relação à peça impressa. O filamento de metal é muito mais pesado que o plástico convencional e suas partículas causam um efeito abrasivo grande no bico extrusor. Máquinas FFF rodando filamentos metálicos precisam de bicos especiais e normalmente têm que imprimir em um ritmo bem mais lento que o convencional.

2. DED

O processo DED (DIrect Energy Deposition), é um processo que tenta traduzir o FFF para a impressão em metal bem ao pé da letra. Um pó metálico fino ou arame metálico é despejado através do bocal e derretido, por arco elétrico ou plasma. Esse processo é muitas vezes descrito como uma soldagem em 3D.

Impressão 3D em metais - DED

Então agora vamos ao que interessa, prós e contras. Um grande pró é o tamanho alcançado pelo processo. Como ele não possui a limitação do SLM de precisar ser construído dentro de uma mesa de pó metálico, é possível atingir a escala de alguns metros com peças fabricadas por ele.

Além disso, é possível imprimir usando dois ou mais reservatórios de pó/arame com materiais diferentes. Dessa forma, a proporção entre eles pode ser modificada on the fly (ao longo da impressão), permitindo propriedades mecânicas variáveis ao longo da peça.

Por fim, o processo tem uma taxa de construção bem superior ao SLM tradicional. Entretanto, ele possui uma resolução bem pior, de alguns milímetros.

Outro problema é a necessidade de suportes. Como o metal é depositado derretido e não há pó embaixo para suportá-lo, a construção de cavidades internas e ângulos mais inclinados é prejudicada. E, como a resolução é pior no DED, os suportes são grossos e difíceis de separar do restante da peça.

Esse problema usualmente é contornado por máquinas construídas na base de uma CNC de cinco eixos. Aí é possível construir virtualmente qualquer peça sem usar suportes.

Só lembrando que a 3D Lopes oferece em sua cartilha de serviços impressão 3D em metais. Faça um orçamento conosco!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *